Conselho consultivo: qual a importância dele para minha ONG?

A estrutura administrativa de uma ONG é composta por sócios e associados que se comprometem a gerir a organização da melhor forma possível. Se, por um lado, é de conhecimento geral as funções da Assembleia Geral, da Diretoria e do Conselho Fiscal, por outro, poucos sabem da atuação do Conselho Consultivo e sua importância para a ONG.

Para que não restem mais dúvidas a respeito disso, preparamos um post cheio de informações. Acompanhe:

O Conselho Consultivo

O Conselho Consultivo de uma ONG é o segmento que se destina a orientar, auxiliar e aconselhar a Diretoria. É a divisão que presta assessoria no que diz respeito às orientações políticas e programáticas discutidas pela Assembleia Geral. Ou seja, é essencial para a boa dinâmica das relações da organização, tendo papel fundamental em manter a ONG dentro de suas finalidades.

Sua previsão estará no estatuto da organização, que poderá definir o número de integrantes e a duração de seus mandatos. É comum que seja composto por, pelo menos, 5 membros, dentre sócios e associados, que estejam quites com suas obrigações estatutárias. Dentro do Conselho, o estatuto pode, ainda, criar diversos cargos.

A importância do Conselho Consultivo para a ONG

O Conselho Consultivo não é um órgão dotado de poder decisório, mas sua função consiste em prestar orientação e consultoria para qualquer tema que diz respeito à organização, o que o torna um órgão essencial para que a missão e os objetivos da ONG sejam sempre atendidos. Em outras palavras, o Conselho Consultivo tem especial importância para que a ONG seja relevante para a sociedade e permaneça focada em seus propósitos.

São características ou objetivos do Conselho Consultivo:

  • Apoio à Diretoria em seus trabalhos, fornecendo informações e pareceres sobre qualquer tema condizente à organização, bem como fazendo recomendações;
  • Emissão de pareceres não vinculativos, ou seja, não geram obrigações, sendo meros aconselhamentos;
  • Pode ser criado para uma finalidade específica, como captar recursos, fornecer auxílio técnico, avaliar um projeto social, serviço ou programa da organização etc.;
  • Seus membros não possuem responsabilidade legal.

Como escolher os membros do Conselho Consultivo?

Todos os integrantes de uma organização do terceiro setor devem estar com o mesmo pensamento em relação à ONG, que é de trabalhar para que ela atinja seus fins. Esse é o pressuposto básico para escolher membros para qualquer órgão, seja de gestão, fiscalização ou consulta.

Porém, como o Conselho Consultivo é responsável por aconselhar a Diretoria por meio de pareceres e de fornecer informações para a execução das ações, é preciso que seus membros tenham competência suficiente para exercer essas funções. Conhecimento e noção básica sobre todo o funcionamento da ONG, seu estatuto, suas prioridades e seus dados administrativos é o mínimo que um conselheiro consultivo deve ter.

Apesar de parecer ter uma função de menor importância, se comparado à Diretoria ou ao Conselho Fiscal, o Conselho Fiscal tem fundamental papel na uma boa gestão da ONG. É, então, um cargo sério, que possui muita responsabilidade e que qualquer ato de imperícia ou negligência por causar consequências sérias para a organização.

Sua organização possui um Conselho Consultivo com funções bem definidas? É um órgão atuante na ONG? Qualquer dúvida, entre em contato conosco!

Crise: como o terceiro setor pode reverter esse jogo?

A crise econômica, acentuada nos últimos anos, tem deixado o Brasil em situação delicada. Com ela, a transferência de recursos para os campos mais importantes da sociedade, como saúde e educação, pode ficar comprometida. E mais do que nunca, o papel do terceiro setor é importante, ainda que também seja afetado pela crise.

Então fica a pergunta: como as ONGs e demais entidades do terceiro setor podem reverter essa situação?

aaeaaqaaaaaaaahuaaaajge5mwrmotuzlwrimdctnddmos1hywrmlwmxmzg2zwqzogm4yg

Read More

Desmitificando a gestão do Terceiro Setor

Existem muitos mitos na gestão do Terceiro Setor que precisam ser desvendados. E nada melhor do que sete anos de experiência na gestão de um Instituto do Terceiro setor, no caso o IOS (instituto da Oportunidade Social), para decifrar na prática esses mitos. Experiência essa, que se transformou numa história de muito sucesso no qual inserimos um novo modelo de negócio que se tornou mais interessante para a comunidade atendida e possibilitou a criação de relacionamento e captação de recursos com outras empresas privadas,  e também com o Governo; o investimento social captado decuplicou assim como o número de vagas para a comunidade cresceu nesta mesma proporção; a empresa pulou de 9 funcionários para 52 funcionários; conquistou seu espaço físico para a Matriz e abriu filiais em 3 Estados brasileiros; desenvolveu um portfólio de serviços sociais e conquistou a referência no seu modelo de negócio, que, a partir de 2016, será expandido no modelo de Franquia Social. E, principalmente, atua na diminuição de um grande problema brasileiro: o desemprego de jovens e pessoas com deficiência, criando indicadores de impacto social.

Read More

Você sabe como funciona uma Ong?

Criar e administrar uma ONG requer mais do que apenas um espírito solidário e uma imensa vontade de ajudar a melhorar a vida da comunidade ou lutar pela democracia.  As Organizações Não-Governamentais são associações da sociedade civil, desenvolvem ações em diferentes áreas e não têm fins lucrativos. O primeiro passo para o nascimento de uma ONG é, sim, o interesse de um grupo que tenha um mesmo objetivo, mas os passos seguintes não devem ser ignorados.

Read More

Qual a importância das Ongs para a sociedade?

Vivemos em tempos de desesperança, alienação e apatia de boa parte da população frente aos problemas sociais e ambientais. Nesse cenário, as ONGs surgem como instituições preocupadas em mudar esse ambiente e aumentar o nível de felicidade por meio da solução de problemas comuns da sociedade. É por isso que o papel do Terceiro Setor deve ser valorizado em nossa sociedade.

Read More

Projetos sociais: como atingir os resultados esperados

Por Milton Netto

Os resultados são uma das etapas dos projetos sociais que mais requerem atenção. Quando elaboramos e implementamos um projeto e/ou ação ele precisa estar descrito, seja com o número de beneficiados, ações realizadas, tamanho de áreas trabalhadas, mudas plantadas e outras infinidades de métricas. Todas elas precisam mostrar para o financiador que seu projeto gera resultados.

Read More

Revisão da Concessão do Certificado de Filantropia e seus Benefícios.

calculator-385506_1920

O governo estima em R$ 11 bi de reais em isenções previdenciárias que vão deixar de ser recolhidos em 2016. Esse montante possui uma representatividade de 7% do déficit previsto na Previdência para este ano, e um percentual de 20% de receitas do INSS.

Read More

Metodologia para Elaboração de Projetos.

Por Milton Netto

Meu nome é Milton, sou Coordenador de Projetos Sociais, e uma das minhas atribuições é elaborar projetos para captação de recursos. O termo mais comum que nos é atribuído é o de captadores de recursos.

Como toda OSCIP, a minha sobrevive da aprovação desses projetos apresentados a financiadores, seja por meio de editais, licitações e demanda espontânea. Essa tarefa não é fácil, pois a vida financeira da sua organização depende muito do seu esforço e dedicação para a construção de um projeto bem elaborado, orçado, justificado e com resultados satisfatórios para seu contratante. Com o passar dos anos, essa minha função se tornou menos amedrontadora. Ocupar um cargo desse nível demonstra reconhecimento pelo seu trabalho.

Read More