Você sabe como funciona uma Ong?

Criar e administrar uma ONG requer mais do que apenas um espírito solidário e uma imensa vontade de ajudar a melhorar a vida da comunidade ou lutar pela democracia.  As Organizações Não-Governamentais são associações da sociedade civil, desenvolvem ações em diferentes áreas e não têm fins lucrativos. O primeiro passo para o nascimento de uma ONG é, sim, o interesse de um grupo que tenha um mesmo objetivo, mas os passos seguintes não devem ser ignorados.

Nós já falamos aqui no blog sobre a necessidade da criação de um estatuto e da organização de uma eleição para definir o comando da entidade, além do registro da ONG no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, do pagamento de taxas e do registro de um livro de atas. Essa é a parte burocrática da criação da organização, que pode atuar em várias frentes, da promoção da saúde à assistência social, do cuidado com o meio ambiente às questões econômicas. A atuação da entidade também pode ser em qualquer esfera – local, estadual, nacional ou internacional.Seja qual for a área de atuação da ONG, a ideia é que elas não apenas cobrem o poder público, mas também tenham condições de arrecadar dinheiro para poder promover seus próprios projetos. Para isso, os objetivos sociais da organização devem estar muito bem definidos, assim fica muito mais fácil encontrar pessoas que tenham o mesmo interesse e engajamento pela causa que você quer defender. Seus objetivos e missão também têm que estar claros e é importante ter uma sede, pois dará credibilidade ao constar o endereço da entidade ao  se redigir o seu estatuto social.

Captando recursos

Redigir a Ata de Fundação, registrá-la no Cartório junto com o Estatuto Social, procurar um contador para dar entrada no CNPJ… Todos esses procedimentos são essenciais para que você possa captar recursos para sua ONG, alugar um imóvel, abrir uma conta bancária… E é preciso pensar nisso para que você possa manter a entidade.

Depois disso, é importante se cadastrar nos Conselhos municipais e estaduais na área de atuação da organização (Educação, do Ambiente, do Bem Estar Social, do Trabalho, Da Criança…), assim como os órgãos federais específicos, e buscar os títulos ou qualificações de interesse da ONG. A cooperação internacional também é de extrema importância para o fomento e fortalecimento e claro a multiplicação das ONGs no Brasil.

Apesar disso, é bom lembrar que a diversificação de fontes de financiamento é essencial para a captação de recursos. As ações do governo em parceria com as ONGs mostram que o Estado está demonstrando um reconhecimento cada vez maior pela competência e pela experiência que essas entidades têm no que diz respeito a enfrentar questões de exclusão social. O mesmo acontece com as empresas que estão tomando consciência sobre sua responsabilidade social e procuram as ONGs para serem parceiras no desenvolvimento e execução de projetos.

Administrando uma ONG

Uma empresa pode oferecer seus serviços para melhorar a qualidade dos projetos sociais de uma ONG – e isso também pode ser considerado “captação de recursos”. Os incentivos fiscais, a doação de recursos por pessoas físicas e jurídicas, a comercialização de produtos e serviços, as campanhas de arrecadação… Todas essas são maneiras de conseguir recursos para administrar a entidade.

Um detalhe importante a ser observado é a necessidade de guardar por até seis anos todas as notas fiscais e recibos de pagamentos e doações. Manter um contador responsável para verificação e assinatura de documentos também é imprescindível. E, claro, é preciso pagar em dia todas as contribuições e encargos sociais.

Todos os funcionários da ONG precisam ser registrados e de maneira alguma se devem misturar despesas pessoais dos membros da diretoria com as da entidade. Cuidado com os problemas de gestão – é preciso administrar com clareza. Lembre-se que quem propões parcerias lida com números.

Pontos-chave

Todos esses desafios exigem mais do que uma boa contabilidade. Tem a ver com metas bem estabelecidas, com trabalhar para baixar seus custos, com incentivar o espírito voluntário e planejar o futuro. É importante usar os meios empresariais para fomentar a caridade e a criatividade.

Divulgar sua ONG também é essencial. Estabelecer parcerias com agencias de comunicação que possam elaborar uma logomarca profissional, site e demais redes sociais, cartões de visitas e folhetos para divulgar seu trabalho, mandar boletins, fotos e vídeos para os associados, estar disponível no maior número de canais possível e entrar em contato com a imprensa são algumas das maneiras de tornar o trabalho que vocês desempenham conhecido. Enfrentar a burocracia e as dificuldades de captação e recursos não é tarefa fácil, mas vale a pena quando se acredita na ideia e se tem as ferramentas para administra-la da melhor maneira.

Se você deseja entender mais sobre o funcionamento das ONGs ou se especializar no assunto, conheça o curso online Direito do Terceiro Setor! E se ficou com alguma dúvida, entre em contato conosco. Deixe sua pergunta nos comentários!

Comment

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*